Para que serve o seguro de responsabilidade civil (e por que você deveria ter um)

No mundo do Direito, é comum ouvir a expressão “responsabilidade civil”, que remete à obrigação de reparar o dano que uma pessoa causa a outra.

O seguro de responsabilidade civil, conhecido com RC, tem basicamente quatro ramos:

·         Responsabilidade Civil Geral (RCG),

·         Responsabilidade Civil Profissional (E&O);

·         Responsabilidade Civil Riscos Ambientais; e

·         Responsabilidade Civil de Diretores e Administradores (D&O)

A proposta é preservar o segurado de indenizações inesperadas por danos involuntários – materiais ou corporais – a terceiros. Desse modo, garante o ressarcimento de custas processuais e honorários advocatícios decorrentes de ações judiciais movidas por terceiros, até o limite de valor definido em contrato.

“Entre os advogados, por exemplo, tem aumentado a procura por proteção a eventuais prejuízos causados por perda de prazo para contestar ou apelar e por não comparecimento a audiências”, explica a diretora comercial da San Martin Corretora de Seguros , Vanessa Alves.

Outra área em que as relações são bastante permeáveis à judicialização é a da saúde. Dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) apontam que, em 2017, a Justiça brasileira recebeu cerca de 26 mil processos por erro médico, o que daria uma média de 3 processos por hora.

Além dos advogados e médicos, outros profissionais liberais autônomos, como cirurgiões-dentistas, engenheiros, arquitetos, contabilistas, fotógrafos, técnicos agrícolas e industriais, entre outros, têm demonstrado interesse pelo produto, que pode ser contratado de forma isolada ou como uma cobertura adicional de outros tipos de seguros.

Executivos com poder de gestão – diretores, conselheiros, gerentes e administradores – também têm buscado “blindar” seu patrimônio pessoal, para que não precisem realizar reparações financeiras do próprio bolso quando suas decisões ou omissões no desempenho do cargo sejam consideradas lesivas aos acionistas (desde que não seja caracterizada má-fé).

Dependendo da atividade laboral que você e sua empresa desenvolvem, podem ser oferecidos produtos mais específicos, voltados a questões como poluição súbita, eventos, projetos e obras , entre outras.

Vale lembrar que os contratos podem ser individuais ou coletivos. Os individuais, como o próprio nome sugere, envolvem apenas uma pessoa física ou jurídica. Já as apólices coletivas têm vários beneficiários e geralmente são feitas por sindicatos e instituições representativas de categorias profissionais.

Ficou interessado(a)? Entre em contato com a equipe San Martin e solicite um orçamento de seguro de responsabilidade civil. Você pode cotar e contratar também pelo aplicativo disponível gratuitamente na Play Store (Android) e na APP Store (Apple)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *