San Martin Seguros | Dúvidas Frequentes
13962
page-template-default,page,page-id-13962,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,columns-4,qode-theme-ver-16.6,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.1,vc_responsive
 

Dúvidas Frequentes

Quando o seu automóvel sofrer danos que podem ser consertados, ou seja, que não resultam em “indenização integral”, geralmente a seguradora paga o custo do reparo diretamente à oficina legalizada e com a emissão de nota fiscal de mão de obra e peça quando a Cia passa a compra pra ela.

Você será responsável pelo pagamento da Franquia, que deverá ser feito também diretamente à oficina, no momento da retirada do veículo.

Mas, se o acidente causou danos a bens de Terceiro, na maioria dos casos a seguradora paga a indenização dos prejuízos diretamente ao prestador de serviço, por exemplo, uma oficina mecânica, quando se tratar de um veículo.

No caso de indenização integral – dano com “indenização integral” ou roubo –, o prazo máximo para o pagamento da indenização é de trinta dias corridos, a partir da entrega dos documentos solicitados.

Se, eventualmente, a seguradora solicitar documentos complementares aos que já foram entregues, a contagem do prazo de trinta dias é interrompida. Quando você entregar a documentação pedida, o prazo recomeçará a ser contado.

Eu preciso apresentar o Boletim de Ocorrência para todos os acidentes?

O B.O. só é obrigatório nos casos de acidentes com feridos, de danos a bens de Terceiros ou se o automóvel for roubado ou furtado.

Quando um acidente resulta apenas em avarias no seu carro, a seguradora não exige a apresentação do BO.

No entanto, o registro na delegacia agiliza a autorização dos reparos.

Qual o prazo para eu receber a indenização?

Se eu estiver inadimplente, a seguradora pode recusar o pagamento da indenização?

Sim. Na hipótese de você não pagar uma parcela do prêmio até o vencimento, o fim da vigência da sua apólice será antecipado e o sinistro pode ter ocorrido fora do novo período de cobertura.

Proporcionalmente às parcelas do prêmio já pagas será calculado um novo prazo de vigência, com base na Tabela de Prazo Curto.

Exemplo
Seguro de um ano, com início de vigência em 15 de março de 2020, financiado em quatro parcelas, com vencimentos em 15 de março, 15 de abril, 15 de maio e 15 de junho.

Supondo que a parcela de 15 de maio não tenha sido paga até o vencimento, o término da vigência do seguro será alterado para 13 de julho de 2020.

Segundo a Tabela de Prazo Curto, o pagamento de 50% do prêmio (duas parcelas de um total de quatro) dá direito a 120 dias de cobertura.

Quanto recebo se ocorrer indenização integral do veículo?

No caso de Sinistro com indenização integral do veículo segurado, você pode consultar o valor da indenização na tabela de avaliação de veículos, chamada “tabela de referência”, que deve estar definida na apólice.

As seguradoras não podem elaborar tabelas próprias, adotando a Tabela Fipe, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.

Minha seguradora pode se recusar a pagar a indenização?

Você perde o direito à indenização quando age em desacordo com as condições estabelecidas no contrato de seguro.
Decorrente de:

  • riscos excluídos ou prejuízos não indenizáveis – riscos e situações que não estão cobertos pelo seguro;
  • descumprimento das obrigações do segurado – deveres que o segurado não cumpre determinam a perda de direitos sobre o seguro;
  • declarações inexatas ou omissas feitas pelo segurado, que possam ter influído na aceitação da proposta ou no preço do seguro. Se a inexatidão ou omissão nas declarações não resultarem de má-fé do segurado, a seguradora poderá indenizar o sinistro e cobrar a diferença de premio;
  • condução do veículo por pessoa sem habilitação legal;
  • uso do automóvel para fim diferente do declarado na apólice;
  • sinistro causado por dolo (má intenção);
  • fraude ou tentativa de fraude por parte do segurado, com a intenção de obter benefícios ilícitos do seguro;
  • agravamento intencional do risco por iniciativa do segurado ou do condutor do veículo;
  • acidentes ocorridos em consequência direta e indireta de quaisquer alterações mentais do condutor, devido ao uso de álcool, drogas, entorpecentes ou substâncias tóxicas;
  • descumprimento, por parte do segurado, das obrigações constantes nas condições contratuais do seguro e na apólice.